Página Inicial / Geral / Vamos falar sobre…detratores com Karina Uchôa colunista do imprensa livre

Vamos falar sobre…detratores com Karina Uchôa colunista do imprensa livre

No mundo corporativo convivemos com vários grupos, que preservando suas características, possuem diferenças e por consequência, geram uniões e conflitos.

Por óbvio, quando nos identificamos com o outro, nutrimos por ele admiração e procuramos seguir seu exemplo e suas ações ou ao contrário, podemos desenvolver um outro sentimento que tem trazido um prejuízo incalculável para as relações humanas: a inveja.

Ao invés de ver “com bons olhos” o desempenho e os projetos do ser invejado, demonstrar um desconforto, imaginando diversas maneiras de estar naquele lugar ou ocupar aquela posição.

Como em muitos casos não consegue por vias éticas, desempenha o papel do “detrator”, que é aquele indivíduo que não revela suas intenções, aproveitando-se da ausência de seu “alvo” para ser atrevido em suas opiniões, cria “dificuldades para vender facilidades”, demonstra um cenário de felicidade quando na verdade sua existência resume-se a tristezas e frustrações e credita sempre ao outro essa realidade nada próspera.

Semana passada fui assistir a uma palestra sobre mapeamento de poder. Como estamos rodeados de pessoas assim no mundo corporativo, tanto em espaços privados como em instituições publicas.

A incompetência e a incapacidade de fazer por si, leva os detratores a gastarem seu tempo e energia em planejar de forma mirabolante como “vampirizar” o tempo e a energia do outro.

Se ao invés disso, observasse mais seu próprio mundo, talvez enxergasse suas próprias oportunidades, pautadas em seu desempenho, seu investimento e principalmente sua dedicação fazendo o bem para si e aos outros, ao invés de desejar o mal e o que não é seu.

A diferença entre o detrator e o inimigo é que esse último não esconde suas intenções, demonstra claramente que não gosta daquela pessoa, que não a apóia… O detrator  é ardiloso, é sedutor, te convence, persuade de forma muito ruim e causa impactos que não são reparados facilmente.

Nos dois casos as consequências são drásticas e devastadoras e cabe a cada um de nós buscar uma blindagem emocional para evitar que isso aconteça.

Viva simples! Viva o bem! Viva o seu!

Karina Uchôa, palestrante especialista em comunicação não violenta, gestão de conflitos, assédio moral e sexual e liderança.  Contato: kari.uchoa@gmail.com

 

Você pode Gostar de:

Sedu publica organização do Atendimento Educacional Especializado

A Secretaria da Educação (Sedu) publicou no Diário Oficial, de quarta-feira (04), a resolução de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *