Página Inicial / Polícia / Policiais civis de Marataízes realizam “Operação Tocaia” no município

Policiais civis de Marataízes realizam “Operação Tocaia” no município

A equipe da Delegacia de Polícia (DP) de Marataízes efetuou a “Operação Tocaia”. No cumprimento de mandados de busca e apreensão em abertos, os policiais civis apreenderam uma arma e um veículo utilizado em um homicídio, na região. O carro estava registrado em nome de B.J.S.B., de 29 anos. A operação ocorreu na segunda-feira (21).

O responsável pelas investigações, delegado Renato Barcellos, relatou que B.J.S.B. negou participar do crime e concordou em colaborar com as investigações. O delegado informou que, em depoimento, o detido alegou que no dia do homicídio o seu veículo estava na cidade de Guarapari, em posse de C.L.H.O.M., de 39 anos, mas que não sabia o endereço.

A partir das informações apuradas, a equipe se dirigiu ao bairro Jardim Guarapari, onde foram abordados C.L.H.O.M. e L.C.S.G., de 37 anos. “Ambos entregaram documentos falsos e apresentaram nervosismo durante a ação policial. Os suspeitos também entraram em contradição quando os policiais os interrogaram”, afirmou o delegado.

Constatando-se a falsidade dos documentos apresentados e com a identidade verdadeira dos dois homens, o titular da DP relatou que foi apurado que ambos estavam foragidos da Justiça de Minas Gerais. Ao trocar informações com a equipe de policiais civis de Minas Gerais, a equipe foi informada que C.L.H.O.M. é considerado de alta periculosidade.

“Ele possui uma condenação em aberto com pena de 31 anos, além de outros três mandados de prisão pelos crimes de extorsão, tráfico de drogas e associação ao tráfico de drogas. Já o suspeito de 37 anos é apontado como traficante de drogas e também possui dois mandados de prisão em aberto por crimes de tráfico e associação ao tráfico de drogas”, explicou Renato Barcellos.

As investigações continuam para apurar o homicídio. Após averiguar e confirmar a informação de que B.J.S.B. não tinha envolvimento no homicídio, os policiais o liberaram. Já C.L.H.O.M. e L.C.S.G. foram autuados em flagrante pelo crime de uso de documento falso e tiveram ciência dos mandados em aberto.

Os detidos foram encaminhados para o Centro de Triagem de Viana (CTV).

 

 

Você pode Gostar de:

Governo e pesquisadores descartam problemas com vacina contra HPV

O Ministério da Saúde defendeu o resultado da avaliação de uma equipe de médicos da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *