Página Inicial / Assitência Social / Inquérito Sorológico vai testar 32 mil capixabas para identificar contato com coronavírus

Inquérito Sorológico vai testar 32 mil capixabas para identificar contato com coronavírus

A Secretaria da Saúde (Sesa) definiu para começo de maio o início dos testes que serão realizados para o Inquérito Sorológico da Covid-19 no Espírito Santo. O estudo auxiliará o Governo do Estado a identificar o percentual da população capixaba que já teve contato com o novo Coronavírus (Covid-19). O inquérito será realizado em quatro etapas, com intervalo de 15 dias entre cada uma. Para cada etapa serão testadas cerca de oito mil amostras, totalizando aproximadamente 32 mil testes em 27 municípios selecionados. 

De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, a pesquisa trará uma radiografia do impacto da doença no Espírito Santo. “Com o inquérito, objetivamos fazer uma projeção estatística do comportamento da transmissão da Covid-19 em nosso Estado. Também vamos poder identificar a força de transmissão do vírus. Com os resultados, teremos uma radiografia muito fina de qual é o impacto da doença e de seu comportamento que poderá subsidiar as decisões de Governo”, explicou.

Atuação em campo

Foi determinada uma amostra composta por 27 municípios capixabas a serem estudados, distribuídos segundo as regiões definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e considerando ainda as áreas mais densamente populosas. São eles: Afonso Cláudio, Alegre, Aracruz, Baixo Guandu, Barra de São Francisco, Cachoeiro de Itapemirim, Cariacica, Castelo, Colatina, Conceição da Barra, Ecoporanga, Guaçuí, Guarapari, Iúna, Linhares, Marataízes, Nova Venécia, Pedro Canário, Santa Maria de Jetibá, São Gabriel da Palha, São Mateus, Serra, Sooretama, Venda Nova do Imigrante, Viana, Vila Velha e Vitória.

Serão realizados sorteios para escolha de regiões dentro de cada município, assim como para a escolha do domicílio e do cidadão que participará do questionário a ser aplicado por técnicos da saúde. 

Segundo o gerente de Vigilância em Saúde da Sesa, Orlei Amaral Cardoso, as perguntas serão embasadas para coleta de informações básicas sobre sintomas da doença. Além da realização de um teste rápido para identificação de anticorpos contra o novo Coronavírus, cujo resultado estará disponível em 15 minutos. 

“O processo irá garantir segurança tanto ao entrevistado quanto aos técnicos, que estarão paramentados com equipamentos de proteção individual, além de terem suas credenciais para verificação de identidade”, ressaltou Cardoso. 

No caso do paciente sorteado ser positivo, os demais moradores do imóvel serão testados, entretanto, a notificação para o inquérito será do residente entrevistado. Além disso, se a equipe encontrar residentes com sintomas respiratórios, independentemente do resultado do teste, essa pessoa será orientada ou, se necessário, encaminhada para k atendimento em unidade referenciada.

 

Inquérito Sorológico 

O Inquérito Sorológico é uma pesquisa que consiste em testar uma amostra da população que seja representativa do todo. Dessa forma, os dados auxiliarão o entendimento de como a Covid-19 está sendo transmitida no Estado e nas definições de novas estratégias, por parte da Sesa, para medidas de contenção da doença. 

A utilização desse modelo, de acordo com o gerente da Vigilância em Saúde da Sesa, é uma das melhores alternativas para investigar o comportamento da doença. “O inquérito é uma estratégia recomendada pela Organização Mundial da Saúde, que fornece resultados confiáveis da taxa de infecção na população, expondo o cenário da situação da doença no Estado”, disse.

 Para o desenvolvimento do Inquérito Sorológico, foram definidas quatro fases de planejamento. A primeira foi marcada por reuniões com especialistas para definições iniciais para a metodologia de pesquisa; a segunda consistiu no plano de sorteio das regiões a serem pesquisadas, além da preparação dos formulários e testes. 

Na terceira, profissionais da Sesa da área da Vigilância, da Atenção Primária e do Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi), com apoio de especialistas da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), desenvolvem trabalho que visa o planejamento da operação, como a logística de campo e a finalização do projeto. Por fim, a quarta e última etapa é a fase de execução.

 

 

Você pode Gostar de:

Fim de semana com apreensões de drogas e arma de fogo

Nesse final de semana, o 6º Batalhão realizou diversas apreensões no município de Serra, além …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *