Página Inicial / Geral / Iema destaca regras de uso do Arquipélago das Três Ilhas, em Guarapari

Iema destaca regras de uso do Arquipélago das Três Ilhas, em Guarapari

O Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) está atuando em várias frentes de ação no Arquipélago das Três Ilhas, inserido na Área de Proteção Ambiental (APA) de Setiba, em Guarapari. Com a chegada do Carnaval, é importante destacar as principais atividades que são proibidas: pesca, camping e uso do fogo (churrasco e fogueira).

Como o arquipélago é uma área natural protegida, há regras de uso para garantir que a biodiversidade lá existente continue existindo. Sendo assim, durante todo o Verão, o Iema realizou diagnóstico do uso público, orientação aos visitantes, monitoramento das ilhas e monitoramento marinho, como também manejo de espécies exóticas invasoras, instalação de sinalização, manejo e manutenção de trilhas, mapeamento e avaliação do uso dos atrativos pelos visitantes e limpeza das ilhas do arquipélago.

Como grande parte da população ainda não conhece as regras de uso das Três Ilhas, o Iema alerta para as regras de uso do arquipélago, vigentes desde 2016, quando o zoneamento foi publicado. Em 26 anos de criação da APA, esta é a primeira vez que o Iema realiza uma gestão in loco, mostrando presença institucional nas ilhas, devido ao apoio do Projeto Áreas Marinhas e Costeiras Protegidas (GEF Mar), do Governo Federal.

“Por isso, para a população que nunca antes tinha sido avisada que se trata de uma área protegida, o Arquipélago das Três Ilhas representa um local tradicional para ir acampar, fazer churrasco e pescar e, agora, precisamos usar nossos canais de comunicação para divulgar as regras vigentes de uso da Unidade de Conservação para garantir a conservação dessa área, mantendo seu enorme potencial de ecoturismo”, frisa a servidora do Iema, Sandra Ribeiro, responsável pelo planejamento e execução do Projeto Gef Mar no Estado.

No final do mês de janeiro, a equipe de servidores do Iema, do Parque Estadual Paulo Cesar Vinha, instalou uma placa específica sobre a área de proibição da pesca amadora e retirou, com marreta, todos os 97 suportes fixos de apoio para varas de pesca amadora, conhecidos localmente como “preguiçoso”.

Proibição de pesca

A área de proibição de pesca abrange o polígono que engloba as ilhas de Gurarema, Leste-Oeste, Guanchumbas, Cambaião e Quitongo, iniciando a uma distância de 100 metros de cada uma dessas ilhas. “Nessa faixa, todos os tipos de pesca amadora são proibidos, desde a pesca subaquática, pesca com linha de mão, vara ou molinete, realizadas a partir do costão rochoso ou de embarcações, incluindo a modalidade de pesque e solte”, frisa Sandra Ribeiro.

A intenção de restringir a pesca amadora nessa área é garantir um espaço que sirva de criadouro natural, onde os indivíduos possam crescer, se reproduzir e repovoar tanto o Arquipélago das Três Ilhas quanto as ilhas e dos demais habitats do entorno.

“Isso garante a conservação das espécies e a sustentabilidade da pesca artesanal local e das atividades de turismo ecológico sustentável, cujo principal ativo é a diversidade biológica e a beleza cênica do local”, explica Sandra Ribeiro.

Ela ressalta, ainda, que todos os visitantes são muito bem-vindos para desembarcar e conhecer as ilhas do Quitongo, Cambaião e Guararema, tomar banho de mar, relaxar e curtir a tranquilidade da natureza. “Muitos visitam as Três Ilhas para conhecimento da biodiversidade marinha, por meio da prática do snorkeling e do mergulho contemplativo”, comenta a responsável pelo Projeto Gef Mar no Estado.

Para mais informações sobre o zoneamento ambiental da APA de Setiba, clique: https://iema.es.gov.br/APA_Setiba

 – Saiba quais são as atividades proibidas no Arquipélago das Três Ilhas:

– Tocar e coletar organismos marinhos;

– Pesca amadora (molinete, linha de mão, caça-subaquática), inclusive a modalidade de pesque e solte;

– Jogar lixo;

– Cortar a vegetação;

– Som (música) tanto nas embarcações quanto nas ilhas do arquipélago.

– Acampamento:  Corte de vegetação para abertura de clareiras para colocar as barracas de camping. Além da destruição da vegetação nativa, as clareiras favorecem a proliferação das gramíneas exóticas invasoras e a erosão do solo, que fica exposto e é carreado para o mar, especialmente quando o terreno apresenta declividade. Nas Três Ilhas, a faixa de solo é muito fina, por isso sua perda é crítica e representa um impacto significativo para o ecossistema local. 

– Falta de banheiros: As pessoas devem ter consciência da falta de banheiros nas Três Ilhas, ficando proibidas as necessidades fisiológicas na unidade de conservação, pois causa mau cheiro e poluição do local.

– Uso do fogo e churrasco:  Aumenta o risco de incêndio. Em janeiro de 2014, perdeu-se o controle do fogo de uma churrasqueira. Devido às rajadas de vento, toda vegetação da Ilha do Cambaião foi queimada. Com a queima da vegetação nativa, houve grande proliferação das espécies exóticas invasoras (gramineias e piteiras).

– Restos de comida: Descarte de resto de carnes e demais alimentos atrai grande quantidade de urubus, que pode estar competindo por espaço (para ninhos) com as espécies nativas.

– Pesca amadora: A captura de grande quantidade de peixes recifais, na maioria das vezes juvenis, já que a área é um berçário, provoca redução da população e contribui para o declínio populacional de muitas espécies.

A partir do trabalho do Iema, iniciado em 09 de janeiro de 2020, foi possível realizar:

–  Retirada de seis áreas de camping selvagem (campings irregulares), que apresentam capacidade para cerca de 45 barracas;

– Diversas áreas de fogueira feitas diretamente nas pedras, inclusive com restos de carvão, conhecida localmente como “fogão”; 

– Retirada de 97 estruturas fixas de suporte para sustentar vara de pesca (pesca amadora), conhecidos como “preguiçoso”.

 

Você pode Gostar de:

Ministério da Saúde quer eliminar sarampo do país até julho

O Ministério da Saúde estipulou como meta erradicar o sarampo até julho deste ano. A …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *