Página Inicial / Geral / campanha Janeiro Branco quer falar sobre prevenção à depressão e ansiedade

campanha Janeiro Branco quer falar sobre prevenção à depressão e ansiedade

O mês de janeiro foi escolhido como o mês da saúde mental, tendo o branco como sua cor simbólica. No Espírito Santo, o governador Renato Casagrande sancionou a Lei Estadual nº 11.078, publicada no Diário Oficial do Espírito Santo, no último dia 06 de dezembro, que institui no Calendário Oficial do Estado o Janeiro Branco. O objetivo da campanha é sensibilizar a população quanto à importância da prevenção à depressão e à ansiedade, estimulando ao cuidado com a saúde mental e bem-estar.

A depressão, um dos problemas mais comuns da saúde mental, pode afetar qualquer pessoa, inclusive aquelas que parecem viver em circunstâncias relativamente ideais, e levar a consequências graves, como à automutilação e até ao suicídio. Vários são os motivos que podem levar uma pessoa à depressão e à ansiedade como transtornos psiquiátricos, estresse crônico, disfunções hormonais, vícios (cigarro, álcool e drogas ilícitas), experiências de violência doméstica ou abuso, perda do emprego, desemprego por tempo prolongado, separação conjugal, entre outros.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que a depressão atinge 5,8% da população brasileira, e distúrbios relacionados à ansiedade afetam 9,3%. No entanto, o número de pessoas diagnosticadas com alguma doença emocional tem aumentando e isso, segundo a OMS, é uma boa notícia pois aponta que um número maior de pessoas está tratando sua saúde mental. 

Segundo a referência técnica em Vigilância de Violências e Acidentes da Secretaria da Saúde (Sesa), Edleusa Cupertino, a violência (um dos motivos que levam a doenças emocionais) tem impactos imediatos que levam à urgência e emergência, e outros de médio e longo prazo, que somatizam gerando consequências para toda uma existência.

“Quanto mais jovem e quanto maior for o tempo de exposição à violência, por exemplo, maior é o sofrimento psíquico e físico acumulados pela vítima que podem gerar traumas que desencadeiam em forma de patologias como: depressão, ansiedade, doenças osteomusculares, enxaqueca, asma, osteoartrite, diabetes, doenças pulmonares obstrutivas crônicas, problemas gastrointestinais e outros. Isso demonstra a relevância dos transtornos mentais causados pela exposição à violência ao longo da vida”, disse.

Edleusa Cupertino destacou a importância de trazer o assunto ao debate. “É muito interessante que tenhamos uma provocação para que todos reflitam, debatam, conheçam, planejem e até efetivem ações em prol da Saúde Mental e do combate ao adoecimento emocional dos indivíduos. Além disso, é preciso incentivar as próprias pessoas a pensarem a respeito das suas vidas, dos seus relacionamentos e do que andam fazendo para investirem e garantirem saúde mental e saúde emocional em suas vidas e nas vidas dos membros de sua família ou das suas relações sociais”, afirmou.

Dados da Vigilância de Violências e Acidentes da Sesa apontam que de janeiro a outubro de 2019, 175 pessoas se suicidaram no Espírito Santo, sendo 126 homens e 49 mulheres.

Onde buscar atendimento

Uma pessoa que necessita de atendimento em saúde mental deve, primeiro, buscar acolhimento na rede de atenção básica mais próxima de seu domicílio. Em caso de surto psiquiátrico, é preciso acionar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192), para ser encaminhado para o atendimento de urgência e emergência mais próximo.

Para receber atendimento no CAPS, a pessoa deve, primeiro, procurar a unidade de saúde básica mais próxima de sua casa. Havendo necessidade de um tratamento de maior complexidade, a própria unidade faz o encaminhamento ao Centro.

Muitos chegam espontaneamente ou encaminhados pela equipe de Saúde da Família ou de hospitais e prontos-socorros e todos os casos passam por uma avaliação pela equipe multiprofissional. Caso o paciente se encaixe no perfil do CAPS, ele é integrado à instituição.

 

Você pode Gostar de:

Ministério da Saúde faz alerta sobre febre amarela

O Ministério da Saúde alerta quem ainda não se vacinou contra a febre amarela a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *